19 dez 2019 | 12:45:06

Não Da Mais (para os adversários): festa brasileira no GP Carlos Pellegrini (gr.I).

Brilho intenso de Afonso Flório Barbosa, Carlos Lavor e Haras Phillipson.

Não Da Mais sagrou-se herói em San Isidro.

Imagem: Hipódromo San Isidro

De ponta a ponta, numa demonstração incrível de seu poderio locomotor, Não Da Mais, 3 anos, filho de T. H. Approval e Espetacular (Pitu da Guanabara), de criação e propriedade do Haras Phillipson, foi o brilhante vencedor do Gran Premio Carlos Pellegrini (gr.I), em 2.400m na pista de grama (leve), para produtos de 3 e mais anos, disputado neste sábado (14), em San Isidro.

A exemplo do que já havia feito em suas conquistas mais importantes, na capital paulista, Não Da Mais assumiu a ponta, logo após a largada. Ao permitir que o brasileiro ditasse o ritmo da competição, emplacando parciais de 25.55 e 49.94, os argentinos incorreram em seu pecado capital: testemunharam, galão a galão, a construção de uma vitória irretocável.

Na reta final, quando Pure Nelson e Imperador partiram para cima de Não Da Mais, este voltou a fazer prova da valentia peculiar aos grandes campeões. A 150 metros do disco, enquanto sofria múltiplos ataques, Lavor, então, proferiu seu golpe de mestre: com o chicote na canhota, fez Não Da Mais trocar de mãos e ganhar o último fôlego necessário, para aparar os derradeiros avanços adversários.

Tricampeão do Grande Prêmio Brasil, vencedor do Grande Prêmio São Paulo, tríplice coroado e dono de troféus das principais provas do turfe brasileiro, Lavor cruzou o disco em pé, nos estribos de Não Da Mais: comemorações de uma vitória inédita, para a brilhante carreira de um dos maiores jóqueis da história do turfe brasileiro.

Miriñaque, vencedor do Derby do GP Nacional (gr.I) e da Polla de Potrillos (gr.I), formou a dupla a ¾ de corpo, com Francisco Leandro “up”. A bordo de Pure Nelson, Jorge Ricardo completou a trifeta dos jóqueis brasileiros. Imperador, do Stud Rio Dois Irmãos, foi o quarto. Teteze finalizou na quinta posição. George Washington, com reta atribulada, foi o nono e Agassi o décimo oitavo.

Radicado em Campinas/SP, Afonso Flório Barbosa crava seu nome na condição de primeiro treinador brasileiro a vencer, por duas vezes, a prova máxima do turfe argentino. Obteve sua primeira vitória, em 2012, com Going Somewhere, outro corredor do Haras Phillipson – por sua vez, primeiro criador e proprietário, do Brasil, a conquistar o bicampeonato do Pellegrini. Na retaguarda, a supervisão veterinária de Celso Bertolini, que atravessa as décadas na condição de um dos mais vitoriosos profissionais de sua classe.

Não Da Mais obteve a quinta vitória em 9 corridas. Além de êxito obtido, em eliminatória, na estreia, prevaleceu nos Grandes Prêmios Juliano Martins (gr.I), João Adhemar de Almeida Prado – Taça de Prata (gr.I) e no Derby Paulista (gr.I). Possui retrospecto vitorioso, portanto, dos 1.000 aos 2.400 metros. Desta feita, percorreu a milha e meia em 2:24.96.

Escorial – 1959

Immensity – 1983

Much Better – 1994

Gorylla – 2003

Xin Xu Lin – 2010

Going Somewhere – 2012

Não Da Mais - 2019

Mais notícias

Mercado: filho de Dubawi e Dar Re Mi alcança US$ 4,8 milhões no Tattersalls October

Aquisição da Al Shaqab Racing corresponde ao recorde de 2018, até aqui.

Ler na íntegra

EUA: Arrocha finaliza em oitavo na estreia

Brasileiro debutou nos Estados Unidos diretamente no Fort Marcy Stakes (gr.III).

Ler na íntegra

Tinindo, Fustic vence outro clássico em Las Piedras

Filha do precocemente desaparecido Quick Road é "cria" Calunga

Ler na íntegra