23 jul 2021 | 14:50:41

Ministério da Agricultura admite rever a legislação do Mormo no país

Reunião da Câmara Setorial de Equideocultura continua a discutir o programa de controle da doença e a ouvir especialistas


A reunião extraordinária da Câmara Setorial de Equideocultura do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), realizada na quarta-feira (21/07), de forma virtual, seguiu com as discussões sobre protocolo e diagnóstico do Mormo, como foi estabelecido na reunião da semana anterior. Presidida por Eliana Lara Costa, responsável pelo Programa Nacional de Sanidade de Equídeos (PNSE), o encontro começou com apresentação do professor Rinaldo Mota, da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), sobre a caracterização da bactéria B. mallei.

Rinaldo abordou sua experiência profissional, relacionada ao Mormo e falou sobre necrópsias. A outra apresentação foi feita pela Dra. Edviges Maristela Pituco, coordenadora do Laboratório de Referência OIE/FAO para Febre Aftosa e Estomatite Vesicular do PANAFTOSA-OPS/OMS, sobre os resultados do Projeto Mormo da estação quarentenária de Cananéia.

Eliana admitiu que o MAPA não pode definir nada que não esteja em legislação. “Estamos num momento de aperfeiçoar o Protocolo de Diagnóstico, mas temos essa limitação. Podemos rever a política do Mormo no Brasil a partir da consolidação de estudos científicos”. A Dra. explicou que hoje existem novas ferramentas de diagnósticos. “A maioria dos métodos não é perfeita e pode gerar falso positivo ou falso negativo. Nosso objetivo é buscar o teste que mais se aproxima do correto. Não temos teste que determine com precisão a doença”, revelou.

A criadora e representante da Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Mangalarga Marchador (ABCCMM), Sophia Oliveira, explicou que um dos entraves é o fato de haver pouca pesquisa sobre o Mormo no Brasil, porque os recursos são escassos. “Ainda não conhecemos nosso rebanho de equídeos com a precisão necessária para a correta aplicação e interpretação dos testes diagnósticos utilizados pelo MAPA. Estes, por sua vez, não tiveram seus estudos de validação levados para termos, na população a que se destinam, fora dos laboratórios, dados fundamentais para que se construam os estudos epidemiológicos sobre o Mormo”, ressaltou.

O presidente executivo do Instituto Brasileiro de Equideocultura (IBEqui), Manuel Rossitto, defende a continuação do diálogo em relação à doença e olha para frente: “Precisamos trabalhar juntos na criação de uma política do Mormo, para assim balizar as políticas públicas que levariam a uma legislação, assim buscando o melhor para a cadeia produtiva”.

Sophia Oliveira concorda e conta que caso a discussão não continue a evoluir, quem acaba perdendo é a cadeia produtiva do cavalo. “Em vista de todas essas incertezas e vulnerabilidades da atual política sanitária, quem perde é toda a cadeia produtiva da Equideocultura, que tem enorme importância socioeconômica, e perde o país”, completou.

(Extraído do website do Instituto Brasileiro de Equideocultura, em publicação de 22 de julho de 2021)

Mais notícias

Pinatubo supera rating obtido por Frankel, aos 2 anos

Potro da Godolphin tornou-se o 2 anos melhor qualificado, na escala de ratings da IFHA, em mais de duas décadas – superando, inclusive, às marcas de Frankel, com a mesma idade.

Zilhão Dolar supera Tácio na Prova Especial Max Perlman

Potro do Haras Free Way segue invicto no “retão” de Cidade Jardim.

Kawara conquista batismo nobre no Clássico Much Better (L)

Favorito do Stud Red Rafa não decepcionou na melhor prova da noturna